terça-feira, 29 de julho de 2014

Estudo analisa impacto de políticas públicas sobre redução no desmatamento

amazonia
http://amazonia.org.br/2014/07/estudo-analisa-impacto-de-pol%C3%ADticas-p%C3%BAblicas-sobre-redu%C3%A7%C3%A3o-no-desmatamento/




Estudo analisa impacto de políticas públicas sobre redução no desmatamento

Um estudo conduzido por pesquisadores brasileiros buscou avaliar se diferentes níveis de fiscalização ambiental na Amazônia Legal tiveram impacto sobre a redução recente nas taxas de desmatamento da região. A pesquisa mostra que esses esforços de fiscalização intensa e focada evitaram até 10.653 km2 de desmatamento.
Ainda, essa redução evitou a emissão de 1,44 × 10-1 Pg de carbono. Essa redução de emissões provenientes de atividades que desmatam e degradam florestas, especialmente em países em desenvolvimento, são uma importante estratégia para reduzir os impactos das mudanças climáticas.
Para chegar aos resultados, o estudo comparou as taxas de desmatamento medidas pelo INPE em municípios que entraram na lista de desmatadores – divulgada pelo Ministério do Meio Ambiente – com as de municípios fora dessa lista. Os municípios da lista sofreram embargos e sanções a partir do ano de 2009 como forma de penalização pelos altos índices de desmate.
No período de três anos (2006-2008) antes da implementação de políticas, os 43 municípios na lista de embargo do MMA foram responsáveis por quase metade do desmatamento total de 38.764 km2 na Amazônia brasileira. Esses municípios desmataram em média cerca de 435 km2 nesse período, em comparação com apenas cerca de 28km2 dos municípios fora da lista. Já entre 2009 e 2011, o desmatamento caiu em ambos os grupos, mas foi mais pronunciado no grupo de municípios embargados (redução de 60%) do que no grupo fora da lista (47%).
Embora esses resultados sejam encorajadores, é importante notar que o Brasil ainda precisa enfrentar desafios significativos para continuar a obter êxito neste sentido em virtude das mudanças recentes no Código Florestal, de investimentos maciços em empreendimentos hidrelétricos, redução de Áreas Protegidas e da demanda crescente por produtos agrícolas.
Segundo Paulo Barreto, pesquisador do Imazon e co-autor do estudo, “o aumento de 28% na desmatamento entre 2012 e 2013 evidencia a necessidade de reforcar as políticas que funcionaram no período avaliado neste trabalho”.
Para conferir o estudo, clique aqui.
Fonte: Imazon

Nenhum comentário: